Origem da família Araújo

Família Araújo

brasão_araujo

História

A maior parte dos sobrenomes que circulam no Brasil é de origem portuguesa e chegou aqui com os colonizadores. A maioria tem origem geográfica. Ou seja: no local em que a pessoa nasceu ou em que morava. Desta forma, Guilherme, nascido ou vindo da cidade portuguesa de Coimbra, passou a ser, como seus parentes, Guilherme Coimbra. Assim, também Varela, Aragão, Cardoso, Araújo, Abreu, Guimarães, Braga, Valadares, Barbosa e Lamas eram nomes de cidades ou regiões que identificavam os que lá nasceram, passando a funcionar, com o tempo, como sobrenomes.

Alguns desses sobrenomes, aliás, não se referem a localidades, mas a simples propriedades rurais onde um determinado tipo de plantação era privilegiado. Por exemplo, os moradores de numa quinta em que se cultivavam oliveiras passaram a ser conhecidos como Oliveira, o mesmo acontecendo com Pereira, Macieira e tantos outros.

Palavra Araújo é oriunda do complexo linguístico galego-português, formado pelo antigo falar do português do Norte e pelo galego. Também se escreve Arujo e deriva do nome Araúja, uma árvore. Possivelmente Rodrigo Anes de Araújo, senhor do Castelo de Araújo, na Galiza, foi o primeiro a adotar o apelido Araújo; e seu bisneto Pedro Anes de Araújo se passou para o Reino de Portugal, em torno de 1375, tendo sido o primeiro Araújo de Portugal. A evolução histórica do português do Norte e do Galego deu origem ao moderno português.

De acordo com os registros encontrados na Torre do Tombo em Portugal, Araúja tomou a forma masculina Araújo, por se referir frequentemente a homem, líder de uma família, geralmente ligados ao trabalho agropastoril de arar e umedecer a terra. Este apelido procede de Vasco Rodrigues de Araújo, na Galiza, no noroeste da Espanha de onde tomou o nome. Alguns genealogistas afirmam que esse Rodrigues Araújo vivera com seu pai nas gralheiras de Araújo, cujas terras herdara de sua mãe e que fora o fundador do castelo.

A origem desta família parte de um tronco português e tem diversos ramos na Espanha, na França e nas Américas: Azas, os Maias, o francês João Tiranoth. Em Portugal, Rodrigues Anes de Araújo casou-se com D. Maria Álvares de Aza, sua parenta, filha de D. Rodrigo Álvares de Aza e D. Maria Pires de Ambia. Desse Rodrigo Anes descenderam os Araújos da Galiza, onde foram senhores de muitos lugares, Vasco Rodrigues de Araújo, o qual era neto do primeiro Rodrigo Anes, que mudaram para Portugal, a cujos reis serviram e foram progenitores das famílias destes apelidos existentes no Minho ou desta província derivadas. Consta que os Araújos, alcaides-mores de Lindoso, usaram armas diversas, semelhante as dos Velosos, de acordo com a ocupação que assumiam em cada região em que abriam suas fazendas tanto em Pernambuco quanto no Piauí e Maranhão.

Conforme dados da genealogia dessa família, essas informações procedem, pois primeiramente, o principal representante dos Araújo veio no Governo de Mem de Sá, de quem era parente, inicialmente radicados no estado da Bahia e, posteriormente, no Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerias. Atualmente, os Araújos possuem descendentes em todo sudeste e nordeste, principalmente em Pernambuco, nas cidades de Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Belém do São Francisco, Cabrobó, Salgueiro, Exu, Olinda e Recife, cujos históricos dos museus dessas cidades evidenciam a presença dessa família Araújo em destaque na liderança regional, sempre associada à família Diniz.

Com as bandeiras e entradas dos paulistas nos sertões de Minas e Bahia, os Diniz e seus descendentes subiram as chapadas do Cariri e do Pajeú com prestígio entre os demais colonizadores, aliando-se geralmente aos Sá, Araújo, Pires e Carvalho, na maioria, cavalheiros defensores da religião católica e participantes de ordens de proteção da monarquia.


Mais sobre a Família Araújo

De acordo com os registros encontrados na Torre do Tombo em Portugal, Araúja tomou a forma masculina Araújo, por se referir frequentemente a homem, líder de uma família, geralmente ligados ao trabalho agropastoril de arar e umedecer a terra. Este apelido procede de Vasco Rodrigues de Araújo, na Galiza, no noroeste da Espanha de onde tomou o nome. Alguns genealogistas afirmam que esse Rodrigues Araújo vivera com seu pai nas gralheiras de Araújo, cujas terras herdara de sua mãe e que fora o fundador do castelo.

A origem desta família parte de um tronco português e tem diversos ramos na Espanha, na França e nas Américas: Azas, os Maias, o francês João Tiranoth. Em Portugal, Rodrigues Anes de Araújo casou-se com D. Maria Álvares de Aza, sua parenta, filha de D. Rodrigo Álvares de Aza e D. Maria Pires de Ambia. Desse Rodrigo Anes descenderam os Araújos da Galiza, onde foram senhores de muitos lugares, Vasco Rodrigues de Araújo, o qual era neto do primeiro Rodrigo Anes, que mudaram para Portugal, a cujos reis serviram e foram progenitores das famílias destes apelidos existentes no Minho ou desta província derivadas. Consta que os Araújos, alcaides-mores de Lindoso, usaram armas diversas, semelhante as dos Velosos, de acordo com a ocupação que assumiam em cada região em que abriam suas fazendas tanto em Pernambuco quanto no Piauí e Maranhão.

Em Genealogia pernambucana, Magno José de Sá Araújo afirma em sua pesquisa ser descendente de Manoel Lopes Diniz, um representante próximo dos Araújos, que foi arrendatário da Fazenda Panela D’Água e de quem descendem várias famílias de Pernambuco, tais como: Carvalho, Alves de Barros, Torres Barbosa, Nogueira de Barros, Valgueiro Barros, Torres Carvalho, Diniz Carvalho, Belfort, Sá, Nogueira, Ferraz Gominho, Souza, Leal, Fagundes, Alencar, Fonteles, Pereira, Moreira, Medeiros, Burgos e entre elas, a família Araújo, que se fixou, principalmente, em Belém do São Francisco, Floresta, Flores, Cabrobó e Salgueiro.

Conforme dados da genealogia dessa família, essas informações procedem, pois primeiramente, o principal representante dos Araújo veio no Governo de Mem de Sá, de quem era parente, inicialmente radicados no estado da Bahia e, posteriormente, no Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerias. Atualmente, os Araújos possuem descendentes em todo sudeste e nordeste, principalmente em Pernambuco, nas cidades de Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Belém do São Francisco, Cabrobó, Salgueiro, Exu, Olinda e Recife, cujos históricos dos museus dessas cidades evidenciam a presença dessa família Araújo em destaque na liderança regional, sempre associada à família Diniz.

Com as bandeiras e entradas dos paulistas nos sertões de Minas e Bahia, os Diniz e seus descendentes subiram as chapadas do Cariri e do Pajeú com prestígio entre os demais colonizadores, aliando-se geralmente aos Sá, Araújo, Pires e Carvalho, na maioria, cavalheiros defensores da religião católica e participantes de ordens de proteção da monarquia.

Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/familia-araujo/38058/#ixzz37N4zF6wK


Mais sobre: A origem da família Araújo…

Postada em 03/08/2009 às 02h37.

A palavra Araújo é oriunda do complexo linguístico galego-português, formado pelo antigo falar do português do Norte e pelo galego. Possivelmente Rodrigo Anes de Araújo, senhor do Castelo de Araújo, na Galiza, foi o primeiro a adotar o apelido Araújo; e seu bisneto Pedro Anes de Araújo se passou para o Reino de Portugal, em torno de 1375, tendo sido o primeiro Araújo de Portugal. A evolução histórica do português do Norte e do Galego deu origem ao moderno português.

História:

A origem da família não é bem conhecida, atribuindo-se lhes diversas: Aças, Maias, o francês Jean Tiranoth, etc.

O primeiro deste apelido parece ter sido Rodrigo Anes de Araújo, que teve o senhorio do castelo de Araújo, na Galiza, donde tomou o nome. Pretendem alguns genealogistas que vivera com seu pai nas gralheiras de Araújo, cujas terras herdara de sua mãe, e que fora o fundador do castelo.

De Rodrigo Anes de Araújo descendem os Araújos da Galiza, onde foram senhores de muitos lugares. Dele foi neto o primeiro que passou a Portugal, Vasco Rodrigues de Araújo, de quem descendem os deste apelido, inicialmente radicados no Minho.

Felgueiras Gayo, no Nobiliário das Famílias de Portug,al, apresenta várias deduções: as que foram seguidas José Freire Monterroio e pelo abade de Pera João Luis Salgado, fazendo-os  descender de João Tirante, cavaleiro francês e a versão de Manuel de Sousa da Silva “e os mais escritores de boa nota q tratarão, desta familia” e os faz descender do rei Ramiro II de Leão, progenitor dos da Maia e dos de Aça.

As investigações recentes de José Augusto de Souto Mayor Pizarro (vd. Linhagens Medievais Portuguesas) não confirmam esta dedução (também o Conde D. Pedro, as não referiu) e assim, a dedução genealógica desta família só poderá documentadamente ser feita a partir de Vasco Rodrigues de Araújo.

De acordo com o alvará do Conselho de Nobreza de 11.6.1981, é chefe do nome e armas dos Araújos o actual visconde de, Sinde, António Fernandes Perestrelo de Alarcão.

As Armas:

De prata, com aspa de azul carregada de cinco besantes de ouro postos em aspa.

Timbre: meio mouro, sem braços, vestido de azul e fotado de ouro ou a aspa do escudo.

Os Araújos, alcaides-mores de Lindoso, usaram outras armas, semelhantes às dos Velosos.

Uma resposta para Origem da família Araújo

  1. Boa noite gostaria muito de conhece meu parente em minas sou neta de Manoel deAraújo filho

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>